Boneca em cacos

Na estante está,
boneca d’alma,
feita de cacos.

Boneca velha
que o tempo amigo,
com suas surpresas,
modificou.

Sabia falar.
Não só falar.
Não se conter
a só falar.
E só falava
sem parar.

Seguidamente
os dias chegaram.
Como tufões,
reviram voltas.

Boneca em cacos
que se quebrou
parte por parte.
Toda em parte,
mas o silêncio
no ar pairou.

No certo dia,
não belo dia,
modificou.
Se aquietou.
Não mais falou.

A sua fala,
inexistente,
resguarda a alma
que guarda tudo.
Não mais entoa.
Se mantém mudo.

Seu corpo inerte
só se guardou.

E esperou…

E esperou…

Tudo passou…

Boneca triste,
que antes falava,
agora chora
o choro mudo
que guarda tudo.

 

Marina Nastari de Almeida

Esse post foi publicado em Devaneios.. Bookmark o link permanente.

4 respostas para Boneca em cacos

  1. Dani disse:

    Oi! tudo bem?
    Feliz 2011, máh!
    texto melancolico e bonito🙂
    beijos querida ;*

    PS: não esqueça: te amo!
    PS²: boa sorte/boa prova da fuvest :3
    nos vemos do outro lado do dia 11/01/11~~~uuuhhh, rs!

  2. Laura disse:

    Maaaaaaah (:
    Você é muito criativa *-* Mesmo.
    Eu gosto dos seus textos porque é pra pensar e refletir.. Adoro isso ;p

    Obrigada por esse! *—-* Te Amo Muito ♥

  3. simone disse:

    Oi Marina,

    tudo bem! nossa esse texto, faz agente voltar pra infância né, pois as coitadinhas das bonecas ficam todas assim mesmo. Acho até que elas preferem ficar assim, do que novas de nunca terem sido usadas pelas crianças.
    Beijo
    Ah, estou te acrescentando na minha lista de blogs.

  4. Giovani disse:

    Se os olhos da boneca não sossegam,
    Se tudo que se faz é só chorar,
    À falácia de sempre se negam,
    Bonecas solitárias a se calar.

    Sirva o mais cálido e doce vinho,
    Um cálice faz as mágoas afogar,
    Ou volte ao primórdio, o seu ninho,
    Agarre o cobertor, vá descansar.

    Se não produz conforto este conselho,
    É demasiado sentimento tão soturno,
    Foque a própria face no espelho,
    Descarte simplório divertimento noturno.

    Busque onde for mais simples de achar,
    Pedaços de alegria pelo mundo,
    Não pode ser tão grande o vil pesar,
    Abandone este choro tão imundo.

    Limpar a alma é se sujar,
    Sofrer não é nunca solução,
    Ajuda mais parar de soluçar,
    Encarar, sem temer situação.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s